81 candidatos do MS não prestaram contas

A Coordenadoria de Controle Interno e Auditoria do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TER-MS) identificou, por meio de dados repassados pelo TSE, que 81 candidatos (do total de 506) não encaminharam à Justiça Eleitoral, no período de 9 a 13 de setembro, a prestação de contas parcial que informa sobre as receitas e despesas da campanha eleitoral ocorridas até 8 de setembro.

 

As prestações de contas parciais não devem ser confundidas com o relatório financeiro enviado em até 72 horas a contar do recebimento da doação. São obrigações de campanha distintas, com finalidades, requisitos e prazos diversos. O envio dos relatórios financeiros não desonera da apresentação da prestação de contas parciais.

 

A Resolução – TSE nº 23.553/2017, que regulamenta arrecadação, gastos e prestações de contas nas Eleições 2018, normatiza que a não apresentação da prestação de contas parcial pode caracterizar infração grave, com consequências sobre o julgamento da prestação de contas final (art. 50, § 3º).

 

Por isso, o Órgão Técnico de Fiscalização de Contas do TRE-MS recomenda que os omissos realizem o envio da parcial mesmo com atraso, mas antes do dia da eleição, 7 de outubro. Essa medida tem a finalidade de evitar que a omissão na apresentação das parciais possa causar algum prejuízo e comprometer a regularidade das contas.

 

Os candidatos podem verificar a própria situação no Sistema de Divulgação de Candidaturas e de Prestação de Contas Eleitorais (DivulgaCandContas), no site do TSE, pelo link http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-2018/divulgacandcontas#/.

No queixo

Dizem que a reação do governador Reinaldo Azambuja, candidato à reeleição, contra as acusações do seu adversário do juiz Odilon de Oliveira durante debate, causaram estragos na campanha do magistrado aposentado.

As próximas pesquisas devem mostrar isso.

TRE-MS e as novidades

A eleição deste ano terá algumas novidades em relação a última eleição geral, realizada em 2014. Dentre as mudanças estão a nova ordem de votação, a escolha de seis candidatos e o uso da biometria em Campo Grande no momento de identificação do eleitor.

 

Diferentemente das Eleições de 2014, neste ano, o primeiro voto a ser digitado na urna será para deputado federal (quatro dígitos). Em seguida, deverá ser feita a escolha do deputado estadual (cinco dígitos), dos dois senadores (três dígitos), do governador (dois dígitos) e do presidente da República (dois dígitos).

 

Para imprimir a “colinha”, clique aqui.

 

É importante lembrar ainda que, neste pleito, o eleitor deverá eleger dois senadores. Caso o eleitor digite o mesmo voto para senador duas vezes, o segundo será anulado.

 

Está disponível na página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na internet, o um Simulador de Votação na Urna Eletrônica. Nele o cidadão pode treinar a votação para todos os cargos em disputa nas eleições de outubro da mesma maneira como ocorrerá no dia do pleito, como se estivesse diante de uma urna eletrônica, de forma rápida, didática e divertida. Para acessar, clique no link: http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-2018/simulador-de-votacao-na-urna-eletronica

 

Em Campo Grande, o uso da biometria também será uma novidade. A tecnologia dará ainda mais segurança à identificação do eleitor no momento da votação. O leitor biométrico acoplado à urna eletrônica deve confirmar a identidade de cada eleitor, comparando o dado fornecido (impressões digitais) com todo o banco de dados disponível.

 

A medida torna praticamente inviável a tentativa de fraude na identificação do votante, uma vez que cada pessoa tem impressões digitais únicas.

Mão na cumbuca

Candidato a deputado federal em Mato Grosso do Sul gravou vídeo e postou nas redes sociais denunciando que o presidente do seu partido, que é candidato a deputado estadual, pegou os R$ 370 mil repassados do fundo partidário e está investindo 100% em sua campanha.

 

Esse tal de vil metal…